Uma Ilha repleta de histórias

Situada a 2,3 km de Guaíba, a Ilha das Pedras Brancas chama a atenção pelas suas grandes formações rochosas, que originaram o nome do local. Cenário histórico do Rio Grande do Sul, foi um depósito de pólvora entre 1857 e 1830. Em 1956, passou a ter uma prisão de segurança máxima que abrigou criminosos perigosos. Um fato peculiar da época foi a fuga do prisioneiro Julio de Castilhos Petinelli, que navegou até Porto Alegre usando dois panelões e colheres de pau como remos. Durante a ditadura militar, uma ala da penitenciária foi destinada aos presos políticos, período marcado por violência e tortura aos detentos.
Hoje restam apenas as ruínas do antigo presídio e suas celas, que compõem o ar misterioso da ilha. Destinada ao turismo desde que o presídio foi fechado em 1983, o local está aos cuidados da prefeitura de Guaíba desde 2005. A AMA de Guaíba realiza expedições de barco até a ilha no primeiro domingo de cada mês. As reservas podem ser feitas pelo email ilhapedrasbrancas.guaiba@gmail.com. O passeio custa R$ 10 e dura cerca de 1h, onde é possível conhecer as ruínas do presídio e fazer trilhas pelas rochas e vegetação da ilha. Explore o local usando uma roupa confortável e um bom tênis. Apesar do difícil acesso, a vista exuberante do alto das pedras, que contempla as cidades de Porto Alegre e Guaíba, compensa o percurso.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: